Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Avaliação Individual da Acção nº6

 “ É óbvio que todos os alunos em risco, assim como aqueles que são portadores de deficiência deveriam ser encaminhados para planos de formação dentro das próprias escolas”

 

Eu concordo com a afirmação na medida em que não devemos negligenciar a “diferença”, contudo não devemos contribuir para que as dificuldades de cada um sejam um motivo de exclusão. Formar os alunos de modo a que se inter ajudem e ultrapassem as barreiras é a prioridade a ter presente. No entanto, a inclusão passará não apenas por inserir os alunos com Necessidades Educativas Especiais (NEE) em escolas regulares, mas reunir as condições necessárias e determinantes para um percurso formativo eficaz. Não é colocando-os num currículo alternativo ou formar um docente em ensino especial que estarão encontradas as condições necessárias para que estas crianças tenham um percurso escolar de sucesso.

Deste modo, deverá haver um programa completo, com uma funcionalidade dinâmica, interactiva e multifuncional, planeado e avaliado periodicamente de forma a criar um fio condutor entre o que o aluno com NEE é capaz de alcançar, suas áreas vocacionais, motivações e as necessidades do mercado de trabalho e formação. Criar protocolos com as empresas de forma a possibilitar uma aprendizagem teórica (na escola) e prática (no exterior) em simultâneo deve ser mais um critério a ter em conta ao reestruturar a área educativa especial.

Assim, melhorar o ensino e as atitudes de todos os interveniente na área da educação de forma a integrar estes jovens no seio da comunidade regular não deve constituir um problema, mas sim ser encarado como uma oportunidade para cada cidadão crescer enquanto ser individual e enquanto membro de uma sociedade mais justa e cooperante.

Autoria: Manuela Oliveira (Psicóloga Clínica)

Data: Maio de 2007