Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Avaliação Final da Acção - A importância das actividades aquáticas para as crianças e jovens com nee

O meio aquático é por excelênca, factor de desenvolvimento de capacidades diversificadas, quer sejam de domínio físico-motor, perceptivo, cognitivo, lúdico/ didáctico entre outras.

A inclusão destas actividades no processo formativo de crianças e jovens com necessidades educativas especiais, assume portanto, um carácter deteminante e cabe a todos os profissionais, que ditrecta ou indirectamente se relacionem ou tenham responsabilidades na formação destas crinaças, uma consiencialização deste pressuposto, proporcionando sempre que possível a participação destas em actividades aquáticas.

Dependendo do tipo de necessidades ou limitações da criança, deve o ensino/ actividade adequar-se às mesmas.

Aqui deixo algumas propostas de actividades em meio aquático. O ensino deve ser o mais individualizado possível. Cada caso é um caso e, portanto, o professor/ monitor deve seleccionar de entre as actividades apresentadas, as que melhor se adequam a cada criança.

Não esquecer que a temperatura da água é muito importante. A criança não deve sentir uma diferença acentuada entre a temperatura ambiente e a água (por ex.: 32º para a temperatura da água e 30º para a temperatura ambiente).

 

NA BORDA DA PISCINA

 

·   Verificar a temperatura da água com os pés e mãos:

·   Aproximar-se da borda da piscina lentamente, procurando conhecê-la;

·   Sentar na borda da piscina e molhar os pés;

·   Sentar na borda da piscina e mandar água ao seu próprio corpo;

·   Sentar na borda da piscina, mandar água ao seu companheiro;

·   Sentar na borda da piscina, mandar água para a sua cabeça;

·   Sentar na borda da piscina e bater os pés lentamente;

·   Sentar na borda da piscina e bater os pés rapidamente;


·   Apanhar água com as mãos em forma de concha e tentar molhar os companheiros;

 

DENTRO DA PISCINA

 

·         Após ter conseguido que a maioria não tenha receio de brincar com a água fora da piscina coloque as crianças na água.

·         Faça com que cada um desça as escadas lentamente até conseguir tocar no fundo da piscina, caso ela seja rasa ou de iniciação, se for de maior profundidade, coloque flutuadores em todos, caso necessário.

·         Se forem crianças que não tenham pé, segure-os com leveza e segurança.

 

PISCINA RASA

Vejamos numa piscina de iniciação, onde todos possam ficar de pé com o tronco fora da água:

           - Realizar passeios exploratórios pela piscina em pequenos grupos;

           - Realizar passeios pela piscina, procurando encontrar objetos deixados pelo professor no fundo da mesma;

           - Faça jogos de correr em duplas, ao longo da piscina;

           - Realize algumas estafetas (jogos de ir e trazer objectos, trazendo-os de volta ao lugar determinado);

           - Mande andar e correr de costas, realizando meia volta para os dois lados;

           - Jogos simples com bolas (mini-volei, mini-basquetebol).


OBSERVAÇÃO

Durante este trabalho, procure observar os alunos mais tensos, os mais inibidos, os que não fazem quase nada e os mais afoitos.

O tempo e o número de aulas destinado a esta fase devem ser em função dos alunos, aceitação e progresso.

Em todas as aulas seguintes, procure iniciar com algumas destas atividades para maior e melhor familiarização com o meio aquático.

 

PISCINA FUNDA

Agora entre em uma piscina funda, onde nenhum dos alunos possa alcançar os pés:

           - Coloque flutuadores em todos e mande-os brincar um pouco na borda;

           - Realize pequenos passeios pela piscina com um ou dois alunos, os outros permanecem na borda;

           - Utilize as raias ou estique uma corda sobre a piscina, oriente para que todos se locomovam de um lado para outro da mesma, sempre em segurança;

           - Procure formar círculos, quadrados, rectângulos;

           - Oriente todos para que tentem flutuar na horizontal, de lado (direito e esquerdo);

           - Pergunte quem é capaz de ir até o outro lado da piscina (a tarefa chave na motivação é "quem é capaz"), ela realiza milagres, tente;

           - Procure jogar a bola em duplas, elogiando os progressos dos alunos;

           - Tente jogar a bola com os alunos, dando maior atenção aos menos capacitados.

            

Autoria: José Guilherme Afonso (Professor)

Data: Janeiro de 2008