Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Avaliação Final da Acção - A importância das actividades aquáticas para as crianças e jovens com nee

INTRODUÇÃO

 

Desde o inicio dos tempos que o elemento água foi descrito pelo homem como algo misterioso, talvez pelo difícil acesso ao estudo do mesmo, talvez por ser só de si um meio hostil ao nosso, um meio onde não nos movimentamos com a facilidade desejada.

Contudo esse mistério que inquietou durante séculos a humanidade e esta sabendo da importância da mesma como suporte de toda a vida na terra teria a certeza que encontraria ali uma fonte terapêutica de uma riqueza incalculável.

Actualmente as técnicas hidroterapêuticas estão consolidadas em todo o mundo como técnicas avançadas em diferentes tipos de patologias tanto do foro muscular, neurológico ou mesmo psicológico.

As actividades aquáticas são das mais apropriadas para indivíduos com algum tipo de deficiência física, mental ou psicológica devido aos benefícios e facilidades proporcionadas pela execução de movimentos com o corpo imerso na água.

Para as pessoas com deficiência as Actividades Aquáticas tem valor terapêutico, lúdico e social.

As propriedades físicas da água (densidade, pressão hidrostática, viscosidade, entre outras) influenciam o comportamento humano, tanto no aspecto fisiológico como psicológico. Pode-se esperar, então, uma variedade de efeitos. Na musculatura e no aparelho locomotor, ocorrerá uma melhora na irrigação sanguínea. Com a contracção e relaxamento muscular, observada na prática da Hidroterapia, haverá estímulos necessários para o desenvolvimento da musculatura e consequentemente melhora a postura corporal.

No coração haverá um fortalecimento da musculatura, bem como um aumento do volume do volume deste. Consequentemente, a frequência cardíaca diminui, a capacidade de transporte de oxigénio aumenta e o esforço cardíaco reduz. Os vasos sanguíneos ficam mais elásticos. Assim com esta economia de diversas funções circulatórias, o organismo adapta-se melhor aos esforços.

Toda a actividade motora que se realiza no espaço água exige um grande esforço de respiração. Com sua prática observa-se um incremento da absorção de oxigénio máxima com o aumento do volume de ar que entra para os pulmões através da inspiração mais profunda. Há um aumento da capacidade de difusão do oxigénio e elevação da tolerância relativa ao débito do mesmo. Além disso, auxilia na prevenção de doenças do aparelho respiratório.

As Actividades Aquáticas em indivíduos portadores de deficiência, pode promover educação para o lazer; manter a amplitude dos movimentos e conservar a sua função; desenvolver a imagem corporal, procurando a funcionalidade; promover a auto – estima que se reflecte na interacção social; ajudar na educação e reeducação da bexiga; promover hábitos de higiene; equilibrar o desenvolvimento exagerado dos membros superiores e propiciar o relaxamento dos grupos musculares solicitados constantemente; equilibrar os desvios da coluna e eixos transversos; estimular as funções cardiovasculares e respiratórias e promover a integração social.

Quando um corpo se encontra imerso em água, ele experimenta um ambiente com regras totalmente diferentes daquelas que está habituado em terra. Por exemplo: o novo ambiente fornece uma sustentação maior, o que proporcionará uma maior estabilidade, que será conquistada através de um meio meticuloso, mas que no final irá proporcionar (dependendo da patologia), alguns movimentos que seriam impossíveis de se realizar fora de água.

A água ainda oferece outro efeito que auxilia na redução do tónus muscular: a diminuição da força da gravidade. Este efeito é extremamente útil quando se trabalha com indivíduos deficientes motores.

A redução do tónus ocorre pela redução da força da gravidade que actua em todos os corpos na terra e este fenómeno acontece devido à existência de uma segunda força existente na água: a impulsão. A gravidade e a impulsão são duas forças antagónicas.

Um dos factores determinantes para o tónus são os reflexos de estiramento que ocorrem pela estimulação de proprioceptores pela acção da gravidade, assim, se houver menos força de gravidade, haverá menos estimulação proprioceptiva e consequentemente menos tónus.

A conquista da liberdade de movimentos e locomoção aquática – que será adquirida através de um treino específico implicará mais alguns benefícios como: aumento da força muscular, aumento do equilíbrio corporal, estimulação sensorial através da pele, aumento das reacções posturais, estruturação da imagem corporal e aumento do controle da cabeça e tronco.

O aspecto lúdico da água é importante, mas não ao ponto de ser salientado como o mais importante. Com base nas informações actuais sabe-se que a redução do tónus muscular associado à conquista progressiva da liberdade de movimento e locomoção em ambiente aquático, são sem dúvidas os efeitos mais significativos.

As Actividades Aquáticas também proporcionam meios de estimulação para o desenvolvimento da fase psicomotora em que se encontra.

As Actividades Aquáticas poderão ser a forma ideal de manter os indivíduos portadores de deficiências severas em actividade física continuada, prevenindo a sua saúde e prevenindo complicações futuras e sobretudo, estimulando a sua qualidade de vida e integração social.

Podemos concluir, que o envolvimento do indivíduo portador de deficiência com a água traz elevados benefícios não só para a sua melhora física como também para o seu estado emocional e consequentemente melhora a sua qualidade de vida.

 

Propostas de alguns exercícios para crianças com Síndroma do Espectro Autista.

- Deslocamentos livres, em espaço delimitado, para que as crianças mantenham contacto com a água.

- “Brincar aos peixinhos” – Colocando a cabeça debaixo de água e fazendo bolhinhas. Este exercício mantém o objectivo do anterior que é preparar a criança para o contacto corporal com o meio aquático.

- Chapinhar na água em brincadeira com o professor.

- Utilizando barquinhos ou patinhos lançamentos sobre a água entre a criança e o professor

- Jogos de procura de objectos – As crianças precisam de encontrar objectos que são lançados para o fundo da piscina.

- “Passeios” sobre o colchão

 

- “Brincar aos cavalinhos” – Com o chouriço entre as pernas dão pequenos saltos em deslocamento.

- “Brincar aos mergulhos” – De mãos dadas com o professor mergulham à vez

- Saltar da borda da piscina

- Flutuações com e sem turbulência

- Andar às cavalitas do professor dentro de água

 

Autoria: Isabel Moreira (Professora)

Data: Janeiro de 2008