Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Avaliação Individual da Acção - X - Frágil

Trabalhando em contexto escolar, interessam-me particularmente conhecer as características das pessoas com síndrome do x-frágil, e perceber de que forma podem afectar a aprendizagem e o desenvolvimento pessoal. Sendo uma patologia com um amplo espectro clínico, as manifestações da síndrome de x-frágil podem variar desde o défice cognitivo grave até à inexistência de debilidade mental! A síndrome pode ainda estar associada a défices das funções executivas, com implicações ao nível da capacidade de atenção, linguagem, aparecimento de problemas comportamentais e/ou dificuldades de aprendizagem. O atraso do início da fala é comum, e as dificuldades de linguagem incluem geralmente dificuldades no processamento auditivo e na compreensão. Podem surgir movimentos estereotipados, auto-mutilação, contacto visual escasso e errático, interacção social pobre e aversão ao contacto físico, ecolálias, e em casos mais extremos o desenvolvimento da linguagem sem fins comunicativos. A hiperactividade é também uma queixa frequente, sobretudo nos rapazes vítimas desta síndrome, a par com a agressividade e instabilidade emocional. Dificuldades ao nível da coordenação motora também requerem, em geral, uma intervenção especializada.

Ensinar estas crianças requer pois um conhecimento das suas características e especificidades e a compreensão de que não são todas iguais, e de que a síndrome se pode revelar de várias formas!

O ensino tem, necessariamente, de ser organizado de forma a potenciar as competências de aprendizagem o que passa pela estruturação das actividades e pela promoção de um clima de trabalho tranquilo, pois seguir uma rotina diminui a ansiedade e traz segurança. Mas a criança pode e deve ir participando nos acontecimentos diários da escola, em interacção com os seus colegas.


As regras de conduta devem ser claras e simples, e as actividades propostas devem ser contextualizadas de forma funcional, pois só assim adquirem significado.

Finalmente, é preciso ter em conta que as aprendizagens devem ser iniciadas o mais precocemente possível, pois a experiência mostra que as capacidades de aprendizagem, apesar de diminuírem com a idade, não desaparecem se ocorrerem durante a infância.

Cristina Sena Neves (Psicóloga)