Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Avaliação da acção - Multideficiência no contexto educativo

Um olhar sobre a Muldifeciência

 

 

            Multideficiência???????? Afinal o que será isto? Bem existem várias definições, umas mais amplas e outras mais restritivas, umas mais agradáveis (à primeira vista) e outras mais desagradáveis, umas mais técnicas e outras mais “populares, …poderia escrever dez ou quinze páginas apenas com definições, mas parece-me que não é isto que nos interessa, pelo menos a mim não é. Eu não estou tão preocupada com as definições (com se calhar deveria ou poderia estar) a mim preocupa-me sobretudo a acção. Sim a acção, a minha, a dos restantes membros da Comunidade educativa, a da sociedade, a dos médicos, a dos políticos…. e sobretudo a do individuo com multideficiência.

            Como docente tenho-me confrontado ao longo da minha vida profissional com inúmeras dificuldades no respeitante à acção com alunos com multideficiência, a teoria eu sei, conheço e se achar que devo saber mais acreditem que sei como procurar, como ter acesso à mesma, agora o que eu não sei é como agir, como actuar senão na perfeição pelo menos com um bom desempenho. Diziam-nos na introdução que “Perspectivar a educação de alunos com multideficiência é um desafio.” E realmente eu concordo mas considero que actualmente este desafio se estende ao alunos sem qualquer deficiência, bem mas não é isto que nos interessa agora. Realmente perspectivar a educação de alunos com multideficiência é não só um desafio mas sim muitos desafios, quando o fazemos temos de desafiar constante e permanentemente tudo e todos. Temos de desafiar em primeiro lugar a nossa própria pessoa e o aluno, em seguida a família (sem a qual todo o trabalho será muito mais árduo e até – muitas das vezes - infrutífero), temos de desafiar os restantes alunos da turma e da escola, os funcionários, os encarregados de educação, a Comunidade Educativa….bem realmente são muitos desafios mas, só desta forma, teremos a plena realização e atingiremos metas no ensino dos alunos com multideficiência.

            Cada um destes alunos, tal como cada uma das pessoas do mundo, é um ser diferente quer interior, quer exteriormente, e muitas das vezes o nosso maior desafio é olhar o exterior com outros olhos, ou melhor é esquecer o exterior. Quantas vezes enganados, atraídos, centrados no aspecto exterior considerámos que aquele aluno não conseguirá atingir os objectivos a que nós docentes, conselho de turma, família nos propusemos, não conseguirá vencer os desafios que temos em mente, e frequentemente (senão permanentemente) esquecemos que ali está alguém que acima de tudo tem DIREITOS, direito à vida de forma plena, activa, integrada, direito a aprender, direito a ensinar e que essencialmente é alguém que interiormente certamente têm muita coisa que lhe vai permitir vencer os nossos e sobretudo os seus desafios.

            No meu entender o aspecto exterior limita muitas vezes a nossa acção, somos seres humanos e estes têm, tal como sempre tiveram, medo da diferença, por isso considero que a maior parte das vezes o maior desafio é a imagem que vemos/temos da criança/aluno. Temos de esquecer esta imagem e pensar nele com qualquer outra criança/aluno, as necessidades, os direitos (no essencial) são os mesmos e como tal tudo se resume (na minha opinião) a conhecer e reconhecer o mais profundamente o nosso aluno e a tentar de acordo com as suas características (especiais, diferentes é certo) tentar proporcionar-lhe uma educação e aprendizagem o mais próxima possível daquela que proporcionámos aos outros pois só desta forma ele poderá inserir-se na turma, na comunidade e sobretudo na sociedade.

            È claro que não podemos, de forma alguma, ensinar tudo e sobretudo da mesma forma, temos de respeitar as suas características, as suas necessidades, o seu ritmo, as suas limitações e valorizar tudo o que estes alunos têm que nos permitirá atingir a meta e vencer os nossos desafios.

            E para concluir: É realmente um desafio perspectivar a educação de alunos com multideficiência mas o que seria a vida de um ser humano sem desafios?

Maria Rosária  Carrilho (Professora)