Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Avaliação individual da acção - A intervenção em alunos com x frágil

Síndrome de X –Frágil - Principais características

 

«Estas crianças frequentemente mostram

uma surpreendente sensibilidade

 à personalidade do professor (…)

E podem ser ensinados,

 mas somente por aqueles que lhes dão

 verdadeira afeição e compreensão.»

 

Asperger

 

A SXF está directamente relacionada com as seguintes características: atraso mental, contacto ocular pobre, transtornos de linguagem, distúrbios do comportamento, estereotipias de mãos e algumas características físicas  tais como, face alongada com leve projecção da mandíbula para a frente, orelhas grandes, fronte proeminente, palato alto, pés chatos, macroorquidismo (após a puberdade – aumento do tamanho dos testículos por transtornos endocrinológicos).

A frequência de autismo na SXF é bastante variável e a associação da SXF com autismo confunde-se pelo comportamento autista apresentado pelos portadores da SXF.

Em estudos realizados sobre esta problemática, patente no artigo «Investigação molecular por PCR da Síndrome do Cromossomo X Frágil em homens com transtornos invasivos do desenvolvimento» verificou-se que ainda não está esclarecido se o comportamento autista é parte do espectro da síndrome ou se o X Frágil é parte do espectro autista, ou se são dois distúrbios distintos com aumento da co-morbidade. Nas várias pesquisas e estudos efectuados encontramos apenas correlações ou comparações entre as duas patologias.

Independentemente desta discussão em torno do autismo e da SXF o essencial é que seja efectuado um diagnóstico o mais precoce possível de forma a melhor se adequar a intervenção terapêutica e a intervenção educacional.

De forma a melhorar a intervenção educacional com a SXF, enumeram-se os seguintes aspectos cognitivos da síndrome, a saber: na área da linguagem, dificuldades de comunicação e atraso no aparecimento das primeiras palavras, alterações na programação e execução do acto motor da fala (dispraxias verbais), bem como na percepção e articulação dos sons, alterações do ritmo e velocidade (fala rápida e confusa), fala repetitiva e incoerente, dificuldade em manter o diálogo e fixar-se nos assuntos da conversa; na área de processos e habilidades mentais, relativa facilidade em captar informações visuais com fácil interpretação, mas com tendência a manter uma percepção indiferenciada, por norma, fixam-se em detalhes visuais irrelevantes e dissociados de um todo com significado, melhor habilidade para aprender por imitação visual, atraso intelectual de leve a profundo, reter informações de processamento auditivo, sequencial e analítico, assimilar noções abstractas – leitura e escrita, aspectos de perceber e relacionar e fixar sequências nas estruturas de sons e letras com significado, generalizar e aplicar informações a situações novas, resolver situações problemáticas, abstractas e complexas.

 

La Salete Filipa Ferreira (Professora)