Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Avaliação da acção - A importância da TAA

O MENINO E O CAVALO
Os destinos do Homem e do Cavalo têm sido inseparáveis. É conhecido o valor do Cavalo na Vida do Homem e o quanto tem
sido útil no progresso da Humanidade associado à nossa evolução.

Estudos realizados por todo o Mundo confirmam que a Hipoterapia consiste um método educacional que favorece a alfabetização, socialização e o desenvolvimento global de alunos com necessidades educativas especiais. O Cavalo funciona aqui como um instrumento cinesioterapêutico, ou seja, uma terapia pelo movimento tridimensional do dorso do animal, somado aos movimentos multideccionais, determinando uma acção produzida pelo movimento e ritmo do seu passo. Os deslocamentos da cintura pélvica produzem vibrações nas regiões osteo-articulares que são transmitidas ao cérebro via medula, resultando no paciente uma melhoria do controlo postural e do equilibrio fortalecendo as funções psicomotoras, possibilitando a melhoria significativa na coordenação motora e reflexos mais rápidos.

Houve um Pai que tinha sonhado com o melhor para o seu filho, imaginava as brincadeiras, as conversas, os passeios... Depois
de nascer, Ricardo, porém, não falava, não regia, refigiava-se no seu mundo, fechado numa concha invísivel. Era autista. Devastado, o Pai decide lutar contra todas as evidências. Tentou tudo para se aproximar do filho: todas as terapias, remédios e escolas especiais. Mas em troca ouvia gritos, aumentavam os espasmos, os ataques... Até que um dia lhe fugiu das mãos, correu pelo prado e atirou-se para debaixo de um cavalo.
Foi o dia da revelação. Ao ver aquele menino deitado aos seus pés o animal baixou a cabeça em muda submissão e o Ricardo, pela primeira vez, começou a falar... Sem hesitar abriu os abraços e envolveu a grande cabeça castanha de Beta, que estava suficientemente baixa para ele a poder alcançar. A este gesto de carinho, o animal ganhou uma expressão de uma ternura extraordinária, uma certa suavização do olhar, um deleitado semi-cerrar das pálpebras com as suas longas e negras pestanas. Algo passara de um para o outro. Um tipo de comunicação directa que eu, o auxiliar, um ser humano neurologicamente convencional jamais... poderia experimentar!

Hélder Príncipe (Auxiliar de Educação Especial, Reabilitação e Equitação Terapêutica)