Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Centro Recursos e Formação - Associação Portuguesa de Investigação Educacional

Sempre no sentido do esclarecimento, da partilha e da formação.

Avaliação da acção - A intervenção em alunos com x-frágil

Pesquisas indicam que 80 a 90% das famílias portadoras de SXF ainda não foram diagnosticadas.

Ainda existe um desconhecimento considerável  dessa causa de comprometimento mental, tanto por parte de profissionais da área da saúde como da educação e, consequentemente, por parte da população em geral.

É pouco conhecida e diagnosticada, já que sua investigação, comprovação e descrição científicas são recentes.

O desconhecimento da síndrome e o facto dos seus sintomas se assemelharem aos sintomas de outros quadros clínicos de atrasos e transtornos de desenvolvimento parece contribuir para que muitos casos ainda se mantenham com diagnósticos obscuros e imprecisos.

A investigação clínica deve, pois, estar atenta para a análise da história familiar, principalmente quando esta inclui a ocorrência de problemas persistentes de aprendizagem e/ou de retardo mental em outros membros da família.

Quando se sabe que um membro da família é portador da síndrome, os outros familiares devem ser testados.

Mulheres que pretendem engravidar devem fazer o teste, se qualquer membro da família apresentar traços característicos do X Frágil. O diagnóstico pré-natal já pode ser realizado.

Só o diagnóstico conclusivo permite definir estratégias de atendimento mais adequadas para o desenvolvimento dos indivíduos afectados pela Síndrome do X Frágil.
Na Síndrome do X Frágil a  prevenção é o melhor tratamento.

Liliana Jorge (Professora)